VULC - Olympikus para maratona

Depois de cair quase -50 por cento em 2018, e causar calafrios nos investidores mais fundamentalistas, Vulcabras (VULC3) volta como uma flecha em 2019.

Depois de cair quase -50 por cento em 2018, e causar calafrios nos investidores mais fundamentalistas, Vulcabras (VULC3) volta como uma flecha em 2019.

As ações abrem o ano acumulando 15 por cento de alta, continuando o “rally Bolsonaro”. Ontem, as ações subiram mais de +6 por cento.

Tudo isso sem acontecer absolutamente nada com a empresa. N-A-D-A.

Claro, a companhia é cíclica e depende do nível de estoques que suas competidoras internacionais (Nike, Adidas, Puma) trazem para a costa brasileira.

Em 2017 – sucesso. A economia se recuperou inesperadamente do desastre que foi 2016 e pegou as internacionais desestocadas. Olympikus vendeu mais que picolé neste verão.

Em 2018 – fracasso. Esperávamos economia melhorando mas eleições e greve dos caminhoneiros derreteu nosso otimismo. Olympikus vendeu menos que paleta mexicana.

Em 2019 - ?. Os indicadores econômicos são positivos e dependemos da reforma da previdência. Mas as varejistas locais não tiveram tempo hábil de fazer pedidos após a derrota da esquerda nas eleições.

A probabilidade de faltar Nike nas gôndolas é grande.

A maravilha é que Vulcabras ganha dinheiro com o mercado bom e também ganha dinheiro com o mercado ruim. Sem dívidas e com lucros maravilhosos, ela voa na maratona do Investidor de Valor.

Em observância à ICVM 598, declaro que as recomendações constantes no presente relatório de análise refletem única e exclusivamente minhas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente e autônoma.

Assuntos relacionados
Compartilhar este artigo
por Bruce Barbosa
em 11/01/2019 para Nord Insights

Possui 15 anos de experiência no mercado financeiro. Antes de fundar a Nord Research passou pelo BNP Paribas, HSBC e Empiricus Research. Formado em Engenharia de Produção pela USP e possui um MBA pela New York University.

Receba nosso conteúdo GRATUITO!