Um ótimo TRI para os Fundos

O primeiro trimestre se foi e com ele chegou a nossa hora de prestar contas.

“Investir com sucesso é ter as pessoas concordando com você... mais tarde"


James Grant


Um ótimo TRI para Fundos



O primeiro trimestre se foi e com ele chegou a nossa hora de prestar contas.


Nada mais apropriado depois de um período que muita gente soube aproveitar o momento de euforia para ganhar dinheiro, mas também muita gente ficou pelo caminho.


Não foram poucas as vezes que eu acordei com notícias de que o novo governo tinha acabado… e imagino que, pelo menos por uma vez durante esses 100 dias, tenhas tido a mesma sensação.


Se você acompanha esta newsletter há algum tempo, já percebeu minha insistência em dizer que a performance dos fundos é importante sim, afinal estamos aqui para te fazer ganhar dinheiro.


Mas que é preciso olhar as janelas apropriados para cada tipo de produto.


Se um fundo Multimercado opera uma estratégia Macro Global que visa capturar ganhos em tendências de médio e longo prazo, olhar para a cota mensal vai te garantir apenas uma gastrite e a vontade de resgatar o dinheiro antes de o gestor começar a entregar bons retornos.


É preciso confiar no processo e esperar que as teses maturem.


Mesmo com um cenário desafiador, a nossa carteira de fundos Multimercado entregou um retorno de 3,89 por cento no trimestre, equivalente a 252 por cento do CDI.


Aliás, como anda seu rendimento em renda fixa?


Desde o início da série Nord Wealth, o retorno acumulado é 7,70, ou 226 por cento do CDI.


O que nos deixa especialmente felizes com o resultado - reforço, apesar da janela de análise bastante curta - é que a carteira como um todo se comportou muito bem, sendo o resultado extraído por gestores com estilos diferentes e estratégias complementares.


Basta perceber no gráfico que uma das nossas posições entregou uma performance muito próxima do CDI no período, mas que funcionou como ótimo hedge para a carteira.


fonte:  bloomberg


Justamente quando todos os fundos começaram a performar mal, o fundo defendeu resultado global da estratégia.


De nada adianta ter um time que corre só para um lado, de um jogador que joga sozinho ou que só tem camisas 10.


Saudades de 2002.



Uma indústria sem crise


A indústria de fundos é muito dinâmica e, por isso, é preciso saber jogar bem esse jogo.


Basta um gestor importante dizer que vai fechar para captações que, em poucas semanas, recebe um caminhão de dinheiro.


Um caso curioso recente é a Legacy, uma asset montada por ex-executivos da tesouraria do Santander que em menos de um ano de existência captou mais de 4,5 bilhões de reais em multimercados e já fechou para captações.


Não por acaso, também perdemos alguns bons guerreiros pelo caminho: Fundos da Kinea, Kapitalo e Absolute fecharam algumas estratégias e, quem não entrou a tempo, perdeu a oportunidade se apoiar no ombro de gigantes.


Eu realmente lamento toda a vez que isso acontece...


Mas como analista, preciso estar constantemente visitando novas casas, monitorando as atuais e evitando, assim, que a nossa prateleira fique vazia.


Para a nossa alegria, tem muita gente boa nesse mercado.  


Durante esses 3 meses, eu e o Luiz visitamos na média 4 assets por semana e sem perder tempo já fizemos questão de incluir novos fundos no nosso portfólio.


Sempre com a diligência da Nord, claro.


A ideia da série é que os assinantes tenham pelo menos de 4-5 multimercados abertos e 3 fundos de ações para aplicar imediatamente.


Uma indústria sem crise II


Como a indústria de multimercados desperta mais interesse do público em geral e é muito maior do que a de ações, é natural que as aberturas e fechamentos sejam mais recorrentes.


Mas dado o momento de grande convicção para a bolsa, temos visto um movimento muito forte para fundos de ações também.


Até pouco tempo, era difícil imaginar que as duas classes captariam o mesmo tanto numa janela como essa, como aparece no último relatório da Anbima.  



Se por um lado comemoramos o maior interesse dos investidores por ações, como analista começo a ficar preocupado a ter que lidar com o fechamento de fundos que não estavam no radar.


Conversando com os gestores no nosso tradicional call trimestral, muitos deles me confessaram, pela primeira em muito tempo, que passaram a discutir capacity internamente (capacidade máxima gestão).


Basta ver o que aconteceu com a Alaska de Dezembro para cá: um salto de 73 para 150 mil cotistas. São mais investidores do que a XP Asset inteira!


Como a base é muito pulverizada (29 mil reais por cotista) e ativos da carteira são bastante líquidos (essencialmente blue chips), isso não preocupa por ora. Como o Ney me disse por telefone, daria facilmente para dobrar o patrimônio sob gestão.


Mas, para algumas estratégias de gestores que investem em small e mid caps, isso pode começar a pesar, e podemos ter novamente menos opções na prateleira.


Como analista, meu dever é alertar.


Como investidor, tratei de reforçar novamente minha alocação no nosso primeiro fundo da lista: Apex Ações 30 FIC FIA.


Eu se fosse você, trataria de fazer o mesmo.


Além do Apex, temos a recomendação de mais 2 grandes gestores de ações, com aplicações a partir de 1 mil reais.


Aproveite as promoções.


Um abraço.

Em observância à ICVM 598, declaro que as recomendações constantes no presente relatório de análise refletem única e exclusivamente minhas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente e autônoma.

Compartilhar este artigo
por Renato Breia
em 11/04/2019 para Nord Insights

Possui 13 anos de experiência no mercado financeiro. Antes de fundar a Nord Research passou pela Link Corretora, Galleas Asset, Rico Corretora e foi sócio da Empiricus Research. Formou-se economista pela PUC-SP, tem especialização em Gestão de Fortunas pela Columbia University e é Planejador Financeiro, CFP®.

Receba nosso conteúdo GRATUITO!