Quem ganhou dinheiro em 2018?

Este ano não foi fácil para o investidor.

Este ano não foi fácil para o investidor. Começou com muita esperança de que pudéssemos ter uma aprovação da Reforma da Previdência ainda no governo Temer, uma retomada forte do crescimento, um crescimento global mais forte.

Pouco a pouco cada uma dessas expectativas foi derrubada. Temer não conseguiu criar consenso em um Congresso que tentava se reeleger, o crescimento ficou baixo com a incerteza eleitoral e a falta de investimentos, e os EUA se meteram em uma guerra comercial contra a China, além do Fed se mostrar focado em subir os juros americanos de forma consistente.

Com esse pano de fundo macroeconômico, ainda tivemos 3 mini crises para gerenciar: a greve dos caminhoneiros em maio, a crise da Turquia e a crise da Argentina na segunda metade do ano.

O resultado foi um mercado muito volátil, com o real começando em 3,3, passando por 4,2 ao longo do ano, e terminando em 3,9.

A bolsa, embora tenha subido 14 por cento desde o início do ano, chegou a perder 10 por cento ao longo das crises.

Os fundos multimercado foram uma grande decepção para quem esperava performances agressivas, como tínhamos visto no ano passado.

A renda fixa, quando comparamos risco com retorno, foi o melhor investimento do ano, na minha visão. Títulos como o Tesouro Prefixado 2021 renderam 11,5 por cento (quase o retorno da bolsa), e nos piores momentos da crise tiveram queda de apenas 1 por cento (um décimo da perda máxima da bolsa). Outro título como o IPCA+ 2035 renderam 14,5 por cento (igual a bolsa), mas com perda máxima de apenas 4 por cento (metade da bolsa).

Esses retornos, em um ano de CDI a 6,5 por cento, jogaram a renda fixa para o topo das performances. A nossa carteira do RENDA FIXA PRO, que investiu nesses títulos, além de crédito privado de taxa alta, rendeu 210 por cento do CDI desde sua criação em agosto. Ou seja, para quem queria manter retornos de 2 dígitos, cumprimos o nosso papel.

Embora a Bolsa tenha tido um retorno moderado em relação ao risco, tivemos neste ano uma série de empresas do índice que caíram bem e jogaram o retorno consolidado bem para baixo. Outras ações também tiveram altas fortes, de tal forma que a relação de ações que subiram e caíram ficou bem equilibrada.


_____________________________________________________________

Una o melhor da renda fixa com investimentos sólidos em bolsa aproveitando o pacote Nord Advisor. Bruce Barbosa e Marilia Fontes podem assessorá-lo em seus investimentos em uma condição muito especial, por tempo limitado.

QUERO A AJUDA DA NORD EM MEUS INVESTIMENTOS

_____________________________________________________________


Isso favoreceu muito os investidores que escolhem as melhores ações da bolsa para investir, ao invés de aplicar passivamente no índice. A carteira do Bruce Barbosa no Investidor de Valor fez exatamente este papel de tirar os lixos e investir apenas na nata qualificada. E o resultado foi um retorno muito maior que o Ibovespa.

Épocas de forte crescimento econômico te permitem ser menos seletivo na compra de ativos, pois tudo sobe. Mas cenários como os atuais pedem uma seleção cuidadosa.

Na renda fixa, quem ficou apenas em pós-fixados rendeu somente os 6,5 por cento da Selic, enquanto quem escolheu os melhores títulos do Tesouro chegou a retornos de 14 por cento. Na bolsa, a seleção de ações também dobrou o retorno da carteira, como mencionei acima.

Para o ano que vem, seguimos com grandes desafios. Na parte externa, o Fed segue sendo uma grande ameaça ao crescimento americano. Ontem, na sua reunião, ele reforçou que não irá parar a venda de ativos de seu balanço, retirando a liquidez do mercado, além de jogar os juros acima do nível neutro para gerar uma restrição na economia. O risco de desaquecimento e crise aumentam na visão do mercado.

No mercado local, teremos a sangrenta batalha pela reforma da previdência, que vai depender da boa vontade do Congresso, que está difícil de querer ajudar.

Por isso que eu e o Bruce seguimos no Nord Advisor nessa aposta de escolher cuidadosamente os ativos da nossa carteira, tirando aqueles com baixo potencial de retorno ou altíssimo risco, e ficando apenas com a nata. A combinação do baixo risco da renda fixa com o alto potencial de retorno das ações é a combinação perfeita para uma carteira de investimentos, na nossa visão.

Aqui na Nord Research não vamos falar sobre Bitcoins, COEs ou produtos da moda. Vamos escolher estratégias sóbrias e comprovadas, e te reportar a performance depois.

Que o ano que vem continue separando os investidores conscientes dos aventureiros. E que você entenda de vez que ficar rico é uma maratona que envolve disciplina, paciência e bom senso.

Boas festas,

Marilia Fontes

Em observância à ICVM 598, declaro que as recomendações constantes no presente relatório de análise refletem única e exclusivamente minhas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente e autônoma.

Compartilhar este artigo
por Marilia Fontes
em 20/12/2018 para Nord Insights

Possui 10 anos de experiência de mercado financeiro. Antes de fundar a Nord Research passou pelas assets do Itaú, Mauá e Kondor, além de analista da renda fixa da Empiricus Research. Formou-se mestre em Economia pelo Insper.

Receba nosso conteúdo GRATUITO!