Portobello: quem não constrói, reforma

 


A Cecrisa, fabricante de cerâmicas, comenta no Valor que “... a empresa tem aumentado as vendas por meio de investimentos em novos produtos, ganho de participação de mercado, mudança do mix e expansão das exportações.”

A estratégia é a mesmíssima da líder do setor, a maravilhosa Portobello (PTBL3).

A Cecrisa conseguiu, até o fim de julho, recuperar as vendas perdidas na greve dos caminhoneiros. A fabricante teve, inclusive, que fechar a fábrica por 1 semana.

E Cecrisa está com dificuldades para repassar o aumento do gás (principal insumo da PTBL) e do frete – dado o mercado ainda retraído.

Estamos na fila para conversar com PTBL mas, me parece, que a história será a mesma. Exatamente a mesma. Apesar de PTBL, claro, ser maior, mais rentável, mais bonita e possuir as ótimas Portobello Stores.

As notícias são positivas, para um setor ainda assolado pela crise. E PTBL mostrou que corte de custos e melhora de mix vai longe em seus resultados desde o início de 2017.

Altamente rentável e com estrutura de custos enxuta, a cerâmica Portobello deixa o Investidor de Valor com decoração de casa nova. Com o setor de construção na maior pindaíba da história, PTBL tem muito a construir.



Em observância à ICVM 598, declaro que as recomendações constantes no presente relatório de análise refletem única e exclusivamente minhas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente e autônoma.
Compartilhar este artigo
por Bruce Barbosa
em 31/08/2018 para Nord Insights

Possui 16 anos de experiência no mercado financeiro. Antes de fundar a Nord Research passou pelo BNP Paribas, HSBC e Empiricus Research. Formado em Engenharia de Produção pela USP e possui um MBA pela New York University.

Receba nosso conteúdo GRATUITO!