PETR: estancando as sangrias

A Petrobras (PETR4) divulgou que está hibernando uma fábrica de fertilizantes da sua subsidiária Araucária Nitrogenados S.A. (ANSA).


A Petrobras (PETR4) divulgou que está hibernando uma fábrica de fertilizantes da sua subsidiária Araucária Nitrogenados S.A. (ANSA).


Motivos para a hibernação?


Desde 2013, a ANSA apresenta prejuízos recorrentes. No acumulado dos nove meses de 2019, a empresa gerou um prejuízo de 250 milhões de reais para a petrolífera. E a projeção para 2020 é de um prejuízo superior a 400 milhões.


Decisão excelente da gestão atual da Petro, que sabe que as condições atuais de mercado não estão fáceis para indústria petroquímica. Temos visto no mundo todo os spreads petroquímicos (diferença entre preço da matéria prima e o preço do produto vendido) reduzindo com as tensões geopolíticas elevando os preços do petróleo e a guerra comercial prejudicando a demanda.


A Petrobras até tentou vender a ANSA, mas as negociações com a Companhia russa Acron Group não foram para frente. Logo, nada mais justo que hibernar um negócio que comprovadamente não deu certo.


Esse caso me lembrou o da Braskem (BRKM3). Mas, diferentemente da ANSA, a Companhia ainda dá bons lucros aos seus acionistas e está disputadíssima no processo de recuperação judicial de seu outro acionista: a Odebrecht.


A Petro já avisou que quer vender sua participação na gigante petroquímica e aguarda ansiosamente o desfecho da recuperação judicial da sócia baiana para realizar nas melhores condições o seu follow-on.


Gostamos do que temos visto na Petrobras. E gostamos ainda mais do que vemos em Braskem. A Companhia viveu um péssimo 2019, refletindo a piora das condições de seu mercado de atuação e sendo fortemente penalizada pela situação que enfrenta em Alagoas. Mas os riscos parecem estar sendo mitigados.


BRKM3 figura dentre as apostas do Nord Deep Value.


Assuntos relacionados
Compartilhar este artigo
por Matheus Amaral
em 20/01/2020 para Nord Insights

Iniciou sua carreira como auditor e consultor na Ernst & Young, onde permaneceu por cinco anos.

Receba nosso conteúdo GRATUITO!