Os trades dos grandes gestores multimercados

"O que os grandes estão apostando no mercado neste momento”

Nossas andanças pela FL

Eu e o Breia estamos sempre conversando com os gestores. Para você ter uma ideia, desde  novembro do ano passado, já foram mais 90 gestoras visitadas e diversos calls.


São tantas visitas que chega ao ponto de o pessoal aqui achar que nosso trabalho é “tomar cafezinho” por aí.


Brincadeiras a parte, todas esses encontros possuem um propósito bem claro: monitorar as assets que já recomendamos e buscar novas oportunidades.


Estamos fazendo isso ativamente, tanto que sexta o Renato estava no Rio visitando a IP e a Bogari. Em breve, os assinantes do Nord Fundos terão boas novidades.


Mas, esse não é o foco desta leitura de domingo.


Em nossas andanças pela Faria Lima e pelo Leblon, conversamos com os maiores gestores brasileiros. Gente muito inteligente e que está nesse mercado há décadas.


Queria focar em mostrar a vocês um pouco do que eles enxergam de cenário e quais suas melhores apostas.


Comecemos pelo ambiente externo, a maior preocupação deles.


A maior preocupação


O campeão das preocupações é o cenário global, com os dados sendo de desaceleração, afetando o globo todo.


A Europa tem sofrido bastante, principalmente olhando a produção manufatureira na Alemanha – fiadora da  Zona do Euro.

A China, que nos últimos anos foi motor da economia global, está fazendo uma transição do seu modelo de desenvolvimento econômico para serviços e não tem apertado os botões do crédito para ajudar a economia internacional.


Os Estados Unidos também não têm saído ilesos, com o ISM Manufacturing em níveis mais baixos desde a grande crise em 2008.


E, mesmo com todas essas notícias negativas, o consenso geral entre eles é que não parece haver nenhuma ruptura mais grave.


Isso porque os BCs globais vão utilizar todas as ferramentas possíveis para tentar atenuar ao máximo o problema.


Além disso, olhando os diversos setores da economia, não parece haver nenhum grande desequilíbrio.


Sendo assim, tudo parece caminhar para um pouso tranquilo.


E, sem um cenário de crise mundo afora para atrapalhar, apostar em emergentes se tornou maravilhoso.


E, o Brasil é o mais promissor entre eles.


O Trade “Old but gold”


Apostar na queda de juros Brasil tem sido uma das posições mais antigas e lucrativas dos multimercados nos últimos três anos.


Mesmo assim, ela ainda não ficou velha.


Não ficou velha porque, a cada novo mês, o crescimento consegue se mostrar pior e a inflação segue surpreendendo para baixo.


Com esse cenário em mãos, muitos gestores já passam a questionar se a Selic não poderia atingir valores ainda mais baixos.


Nas rodas de conversas, alguns estão mais otimistas e outros menos, mas 4,5 por cento parece ser um piso para a taxa básica de juros daqui em diante.


Há quem arrisque até uma Selic terminal de 4 por cento.


E, claro, todos eles estão apostando nisso via juro curto, se aproveitando da maravilhosa alavancagem.


Ao mesmo tempo, ninguém parece estar fazendo posições gigantes porque sabem que o técnico do mercado é ruim e a porta de saída é pequena.


O risco mesmo (aposta alta) está na bolsa.

O trade mais queridinho de todos


Se você for até a Faria Lima e perguntar: qual o melhor cavalo para aproveitar a melhora do Brasil, 11 em cada 10 gestores vão falar da bolsa.


É onde eles têm concentrado parte relevante do orçamento de risco dos fundo e os dados parecem corroborar essa ideia.


Um estudo que a gente fez no Nord Fundos em julho já mostrava que a média dos multimercados tinha algo em torno de 15% alocado nessa classe.


Conversando com alguns outros essa semana, já vemos que deles já tem 20 por cento ou mais.


A explicação para essa concentração é simples: é onde vêm a maior melhor assimetria. É uma combinação de preços atrativos com bons fundamentos.


Esse par está raro hoje em dia e eles estão aproveitando. Os instrumentos para aproveitar a alta da bolsa variam, alguns preferem fazer via índice e outros fazem a exposição via uma carteira com alguns nomes – focando principalmente em nomes ligados ao consumo.


O que nos preocupa é que, na maioria dos casos, bolsa nunca foi a maior expertise dos fundos multimercados.


Poucas casas possuem esse DNA de bolsa e quem não sabe vai precisar aprender conforme o tempo passa.


Mas, para além dos trades consenso, vamos à maior discordância...

O trade mais controverso


A discordância nasce entre eles quando o assunto é moedas, principalmente quando se trata do nosso real.


Apesar de a maioria deles acreditar que entraremos em um cenário de enfraquecimento do dólar e valorização das moedas de emergentes, o canal para aproveitar isso difere.


Há quem diga que apostar na valorização do real é uma boa, principalmente quando consideramos as perspectivas à frente e o preço.


O cenário de crescimento mais forte à frente, as contas externas ajustadas e o juro baixo global nos faz um destino muito interessante para a entrada de dólares – o que ajuda na valorização do real.


Outros já acham que o risco versus retorno dessa aposta é ruim, preferindo ficar de fora desse risco em específico. Nesse casos, fazem pequeno e quase sempre via uma cesta de emergentes e desenvolvidos (ZAR, MXN, Euro, etc..), deixando para alocar mais risco em juros e bolsa.


Mas, de todos esses trades, nenhum será melhor do que o próximo.

O melhor trade para você


Muita gente nos pergunta o seguinte: “o que vocês acham da posição X do gestor Y que está na carteira de vocês?”


Resposta: não acho nada.


E lhe digo por que: comprar gestor pelas posições que ele têm é o maior erro que você pode cometer.


Até porque, amanhã ele pode mudar tudo. No Nord Fundos, nós queremos saber de tudo da gestora e as posições são só um brinde.


Queremos saber da estrutura societária, do turnover da equipe, da experiência dos gestores, do capacity da estratégia, dos momentos de crise… enfim, tudo.


Porque, no momento que você compra a cota, é isso que você leva para casa e não as posições.


Sendo assim, o melhor trade de todos é conhecer a casa que você está investindo.


Faça isso e terá os melhores retornos. Negligencie e terá problemas à frente.


Um abraço


Luiz


Em observância ao Artigo 22 da Instrução CVM nº 598/2018, a Nord Research esclarece que oferece produtos contendo recomendações de investimento pautadas por diferentes estratégias e/ou elaborados por diferentes Analistas. Dessa forma, é possível que um mesmo valor mobiliário encontre recomendações distintas em diferentes produtos por nós oferecidos. As indicações do presente Relatório de Análise, portanto, devem ser sempre consideradas no contexto da estratégia que o norteia.


Assuntos relacionados
Compartilhar este artigo
por Luiz Felippo
em 13/10/2019 para Nord Insights

Iniciou sua carreira num projeto de renda fixa do Insper com o BTG Pactual. Posteriormente atuou na área de pesquisa econômica internacional do Itaú Asset Management e foi analista de Renda Fixa da Empiricus Research. Formou-se Economista no Insper.

Receba nosso conteúdo GRATUITO!