Compre ao som dos canhões

Conheça duas oportunidades que ficaram AINDA mais atrativas após as fortes quedas da semana passada.

A Tempestade

Quem passou o carnaval no estado do Rio de Janeiro, assim como eu, sabe que este foi um dos carnavais mais chuvosos de todos os tempos. Era água que não acabava mais.

Mas esta não foi a única tempestade que tivemos que enfrentar na semana passada.

Por conta das manchetes apocalípticas relacionadas ao coronavírus, o principal índice de ações americanas (S&P 500) caiu -11,5 por cento, em apenas 5 pregões. Fato histórico.

No Brasil, devido ao feriado, tivemos apenas 3 dias de pregão na semana, mas a queda acumulada do nosso índice (IBOV) chegou a -8,4 por cento.

Diferentemente da alegria nas festas de carnaval, na bolsa observamos um caso clássico de pânico generalizado.

Porém, como diz a famosa frase (sem autor real conhecido), devemos “comprar ao som dos canhões e vender ao som dos violinos”.

Neste ano, quem foi safo comprou ao som das baterias das escolas de samba ou das batidas dos trios elétricos.

Não é a primeira vez, nem será a última, que a humanidade é obrigada a lidar com uma epidemia global.

E o novo coronavírus (Covid19) está longe de ser a pior delas.

Sua taxa de letalidade está por volta de 2-3 por cento. E com grandes chances de estar superestimada  pelos casos mais leves que ainda não foram diagnosticados.

Para comparação, as taxas em surtos como Mers e SARS  também causados pelo coronavírus , foram de 38 e 10 por cento, respectivamente.

Mas enfim, não somos (nem temos a pretensão de ser) especialistas em epidemias, nossa missão é orientar você em relação ao que fazer com os seus investimentos.

Seja com mercados eufóricos ou em pânico, faça chuva ou faça sol, na Nord estaremos sempre analisando e recomendando as melhores oportunidades de investimentos que encontrarmos por aí.

Quem já é assinante sabe que na semana passada a queda foi generalizada, mas que algumas ações tiveram quedas muito exageradas e ficaram ainda mais atrativas.

Hoje vamos falar sobre duas destas oportunidades que surgiram em meio a tempestade.

IBOV (branco), PRIO3 (rosa) e MOVI3 (verde). Fonte: Bloomberg.

PetroRio (PRIO3) e Movida (MOVI3) apresentaram quedas de -18 por cento e -17 por cento, mais que o dobro do índice. Foram, respectivamente, a 10ª e a 15ª maiores quedas da bolsa no período.

Na nossa visão, ambas as quedas nos deram ótimas oportunidades de entrada nos papéis.

Entenda o racional para cada uma das empresas a seguir.


PetroRio

A PetroRio foi a escolhida pelo Bruce Barbosa como a melhor ação para 2020, em dezembro do ano passado (aqui).

PRIO3. Fonte: Bloomberg.

Neste curto intervalo de tempo, as ações já se valorizaram mais de 54 por cento!

Você deve estar se perguntando: mas ainda vale a pena investir na ação?

Te respondo sem rodeios: valia a pena a 48,80 reais (sua máxima recentemente atingida) e vale mais ainda após a queda de -18 por cento da semana passada.

Isto porque, mesmo neste curto período, muita coisa melhorou nos fundamentos da empresa.

No início de janeiro, a empresa passou a fazer parte do índice IBr-X-100, composto pelas 100 companhias mais negociadas na B3.

No mesmo comunicado ao mercado, a empresa fez uma atualização sobre seus hedges (proteções) relativos ao preço do petróleo tipo Brent, principal indexador para as vendas da companhia.

Para garantir sua margem e fluxo de caixa operacional, e aproveitando a alta dos preços da commodity no período, a empresa fixou o preço mínimo de 65 dólares por barril para todo o volume de vendas previsto para o 1T20 e metade do volume do 2T20.

O Brent está hoje em 53 dólares. Mesmo se cair mais, a empresa está protegida no curto prazo.

Desta forma, a companhia reconhecerá um belo ganho financeiro no primeiro semestre e, provavelmente, no segundo semestre as coisas devem estar mais controladas.

Além disso, a empresa divulgou um resultado fortíssimo no 4T19. A receita cresceu +108 por cento e o Ebitda ajustado + 307 por cento.

Os aumentos expressivos na produção e receita, aliados a fortes reduções no custo de extração (lifting cost), permitiram um crescimento de resultados e margens ainda mais expressivos do que os esperados pelo mercado.

Destaques financeiros 4T19. Fonte: PetroRio.

Mas não para por aí.

Ainda tem a cereja do bolo: a aquisição de mais um campo de petróleo  Tubarão Martelo, da Dommo Energia (antiga OGX).

Campos de petróleo e sinergias pós TBMT. Fonte: PetroRio.

O novo campo não só aumenta em mais de 26 por cento a produção da empresa, mas também reforça a excelente execução da estratégia de M&A (fusões e aquisições) da companhia.

Tubarão Martelo é literalmente do lado do campo de Polvo.

Com os ganhos de sinergia e eficiência, os custos combinados dos campos, que hoje ultrapassam 200 milhões de dólares, serão reduzidos a menos de 80 milhões de dólares.

Com a redução dos custos, mais óleo poderá ser extraído e a vida útil dos ativos ainda aumenta em mais de 10 anos.

Este é apenas mais um exemplo de geração de valor através da aquisição de campos produtores, com redução de custos e revitalização da produção (aumento da vida útil).

Mesmo levando em conta os 100 milhões de dólares que financiaram a aquisição, após a forte queda da semana passada, PRIO voltou a negociar a menos de 4x seu Ebitda (considerando todos os ativos que já possui e só vão aparecer por completo em seus resultados a partir do segundo trimestre deste ano).

Neste preço, PRIO é barata pelo que já é.

Mas sabemos que a estratégia de crescimento inorgânico (via M&A) da empresa está muito longe do fim, o mercado está repleto de oportunidades para ela, com as grandes petroleiras focando cada vez mais no pré-sal.

Não deixe a oportunidade passar, compre PetroRio!


Movida

Outra grande queda, injustificada, foi a de -17 por cento observada nas ações de Movida (MOVI3).

Apesar do coronavírus poder causar alguma queda pontual de volume nas locações, no segmento de aluguel de veículos (RAC), o efeito é bem limitado, uma vez que a atuação da companhia é restrita ao território nacional.

Além disso, nem os fatores de crescimento de curto prazo (consolidação do mercado, grandes locadoras de veículos roubando o mercado das pequenas) nem os de longo prazo (penetração do mercado de locação  tanto para pessoas físicas utilizando carro como serviço, quanto para empresas terceirizando suas frotas) foram afetados.

A empresa ainda não divulgou seus resultados para o 4T19, mas esperamos um crescimento de +15 por cento na receita do RAC (com maior ocupação e ticket médio) e de +40 por cento na gestão e terceirização de frotas  GTF (com o forte crescimento em volume compensando a queda marginal no ticket). Em ambos os casos, esperamos a manutenção das boas margens que a empresa apresentou ao longo do ano.

No segmento de Seminovos  a pedra no sapato da companhia desde seu IPO , acreditamos que a empresa finalmente conseguiu acertar a mão na operação e os resultados do segmento podem finalmente deixar de ser detratores no resultado consolidado.

Resultados últimos 12 meses (3T19) e impacto da melhoria de margem em Seminovos. Fonte: Movida.

A Movida vem apresentando uma excelente evolução de rentabilidade em relação aos seus pares:

Retorno sobre o Capital Investido - ROIC de Movida (laranja), Localiza (verde) e Unidas (azul).

E assim como eles, Movida também compra carros com desconto de 30 por cento, tem custo de capital bem mais baixo, tem mais alcance, eficiência operacional e melhor logística para esmagar as pequenas locadoras que ainda sobrevivem.

Mas mesmo assim, negocia com desconto em relação aos múltiplos de suas comparáveis diretas.

E que ficou ainda maior após a exagerada queda da semana de carnaval:

IBOV (branco), MOVI3 (laranja), RENT3 (verde) e LCAM3 (azul). Fonte: Bloomberg.

Aproveite a oportunidade que o mercado lhe oferece. Movida continuará crescendo mais de 30 por cento seu Ebitda.

Compre Movida pagando apenas 11x Ebitda, enquanto Localiza (RENT3) negocia a 21x e Unidas (LCAM3) a 12x.


Foco no longo prazo (e nos resultados das empresas)

Em entrevista concedida à rede CNBC, durante o último derramamento de sangue nos mercados globais, Warren Buffett  o maior investidor de todos os tempos , disse que o coronavírus era assustador, mas que sua visão de longo prazo para ações não havia sido alterada.

Ele ainda aconselhou os investidores a não entrarem em pânico e venderem suas ações por conta das manchetes apocalípticas exibidas pelos jornais.

Ele disse isso baseado no fato de que a epidemia até pode afetar os resultados das companhias em que investe no curto prazo, mas não no longo prazo.

Buffett compra empresas pensando nos próximos 20~30 anos e a visão da Berkshire (sua empresa de investimentos) é de que nesse horizonte temporal, nada foi alterado pelo coronavírus.

Caso queira assistir a entrevista completa (em inglês) é só clicar no link acima.

Quem pensa assim entende que a volatilidade nos preços das ações é muito maior do que a volatilidade nos resultados das empresas  o único risco que importa.

O assinante do ANTI-Trader não perdeu seus cabelos com medo das quedas do carnaval.

Muito pelo contrário, aproveitou as oportunidades pontuais que surgiram com as quedas exageradas e utilizou o caixa que carregava para comprar ótimas empresas a preço descontados.

Só ontem, as ações de PetroRio (PRIO3) e Movida (MOVI3) já subiram +7,4 por cento e +4,6 por cento, respectivamente.

Conte com a Nord no céu de brigadeiro.

Conte com a Nord durante a tormenta.


Abraço,

Rafael Ragazi



Em observância ao Artigo 22 da Instrução CVM nº 598/2018, a Nord Research esclarece que oferece produtos contendo recomendações de investimento pautadas por diferentes estratégias e/ou elaborados por diferentes Analistas. Dessa forma, é possível que um mesmo valor mobiliário encontre recomendações distintas em diferentes produtos por nós oferecidos. As indicações do presente Relatório de Análise, portanto, devem ser sempre consideradas no contexto da estratégia que o norteia.


Assuntos relacionados
Compartilhar este artigo
por Rafael Ragazi
em 03/03/2020 para Nord Insights

Iniciou sua carreira como Analista na Investor Consulting Partners (assessoria especializada em M&A e finanças corporativas).Posteriormente, foi Gerente de Novos Negócios na Wise Up|Somos Educação (enquanto investida da Tarpon Investimentos) e Sócio responsável pela área comercial e membro do comitê de investimentos da Luminus Capital Management.

Receba nosso conteúdo GRATUITO!