Olha o Zé Cotinha aííííí, gente! 🥳🎉

O caso Exploritas

O surgimento do Zé

Olha, eu não sei ao certo quem cunhou o termo "Zé Cotinha", mas, de fato, a denominação pegou entre os participantes do #fintwit (pessoas que falam de finanças no Twitter).

As histórias já contadas por gestores no Twitter seriam até cômicas, se não fossem trágicas.

Se você não faz ideia do que eu estou falando, explico:

O Zé Cotinha é aquele cotista de fundo que se "comporta mal" e é um terror para os gestores.

Mal "aplica" em um fundo e em poucos dias quer ver suas cotas se valorizarem.

Sim. Uma característica forte do Zé é usar o verbo "aplicar" quando ele quer se referir ao ato de fazer um investimento.

Ele checa a performance quase que diariamente.

Reclama com o gestor sobre por que não está sendo entregue exatamente o que já entregou no passado.

Envia e-mails para o comercial com frequência, perguntando qual o melhor o momento para "aplicar" ou pedindo para ser avisado com antecedência quando deve resgatar.

Mas principalmente:

  • Fica eufórico com fundos que estão performando bem no curto prazo e capricha nos aportes;
  • Resgata quando o fundo está "performando mal", justamente no pior momento para isso.

Sabendo como é a educação financeira brasileira, onde pessoas com nível superior têm dificuldade de entender juros compostos (imagine calcular), acho o termo até um pouco pejorativo.

Mas enfim, minha ideia aqui não esculachar ninguém.

Quero mostrar para você um caso recente e bastante evidente desse comportamento, que em inglês se chama Behavior Gap.

O gráfico já dá uma palinha de onde vamos chegar.

O Caso Exploritas

O Exploritas Alpha América Latina FIC FIM é um fundo multimercado arrojado, com foco em renda variável, Bonds no Brasil e na América Latina.

Eu e o Luiz tivemos a oportunidade de visitá-los por duas vezes e, além de uma equipe bastante competente, capitaneada pelo Daniel Delabio, a performance do fundo é de tirar o chapéu.

Desde o início, o fundo entregou 182 por cento de retorno, contra 72 por cento do CDI (equivalente a 254 por cento do CDI no período).

Naturalmente, isso atraiu bastante interesse das plataformas e, por conseguinte, de muitos cotistas.

Até agosto, a Exploritas captou aproximadamente 1,3 bilhão de reais.

Para se ter uma ideia de como foi relevante, começaram 2019 com menos de R$ 400 milhões.

O fundo vinha entregando uma performance bastante acima da média ao longo do ano, até que, em agosto, veio o resultado inesperado das prévias das eleições da Argentina. Bolsa e bonds despencaram, e como carregavam uma posição relevante na carteira, a cota caiu mais de 16 por cento no mês, entregando todo o retorno do ano e mais um pouco.

Na ocasião, nos reunimos com a equipe presencialmente, avaliamos os riscos e recomendamos para os assinantes do Nord Fundos que não resgatassem.

Felizmente, recebemos muito mais perguntas de "devo aplicar mais?".

Acabamos optando por não e reforçamos os pedidos de paciência. Era o tipo de draw down que um fundo arrojado pode apresentar em algumas janelas, algo que inclusive já havia acontecido antes em outros anos.

Os assinantes da Nord seguiram firme, mas já os Zé Cotinhas... não se aguentaram.

Resgataram em todos os meses subsequentes.

Alguns zerando no pior momento e outros quando ao longo da  recuperação dos meses seguintes.

O gráfico abaixo deixa bastante claro:


Para azar dos mais afoitos, setembro e outubro foram muito bons, recuperando boa parte das perdas. Dezembro foi o melhor desempenho mensal desde a criação.


Certamente, era impossível prever que se recuperaria em tão pouco tempo: terminaram o ano com 224 por cento do CDI.

Quando juntamos os dois gráficos, temos:

Uma lição para os Zés

O recado que eu queria deixar é que o investimento em  fundos é um exercício de paciência de longo prazo, principalmente em fundos de ações.

Nos EUA, há vários estudos que mostram que o prazo médio de permanência dos cotistas é de 4 anos.

Ficam pulando de gestor em gestor e isso os impedem de ganhar dinheiro ao longo dos ciclos.

O caso mais emblemático que eu já contei aqui foi o Magellan Fund, gerido por Peter Lynch e melhor fundo de investimentos do mundo entre 1977 e 1990.

Apesar de ter gerado um retorno anual de 29 por cento, os cotistas na média perderam dinheiro. Sim, perderam dinheiro!

É possível que o seu fundo multimercado fique abaixo do CDI ou até entregue performance negativa durante alguns meses.

Em um bull market, o seu fundo de ações pode ficar atrás do Ibovespa em janelas curtas, como aconteceu com alguns gestores consagrados em 2019.

Eu gosto muito da frase do Mohnish Pabrai que diz: "Você não ganha dinheiro quando compra ações. Você não ganha dinheiro vendendo ações. Você ganha dinheiro esperando".

Não dê chances dos gestores te chamarem de Zé Cotinha.

Estaremos sempre atentos e vigilantes no Nord Fundos.

Um abraço,



Em observância ao Artigo 22 da Instrução CVM nº 598/2018, a Nord Research esclarece que oferece produtos contendo recomendações de investimento pautadas por diferentes estratégias e/ou elaborados por diferentes Analistas. Dessa forma, é possível que um mesmo valor mobiliário encontre recomendações distintas em diferentes produtos por nós oferecidos. As indicações do presente Relatório de Análise, portanto, devem ser sempre consideradas no contexto da estratégia que o norteia.


Assuntos relacionados
Compartilhar este artigo
por Renato Breia
em 09/01/2020 para Nord Insights

Possui 15 anos de experiência no mercado financeiro. Antes de fundar a Nord Research passou pela Link Corretora, Galleas Asset, Rico Corretora e foi sócio da Empiricus Research. Formou-se em economia pela PUC-SP, tem especialização em Gestão de Fortunas pela Columbia University e é Planejador Financeiro, CFP®.

Receba nosso conteúdo GRATUITO!