O Grito


Ganhando no grito

 Franco otimismo no ultra-mar, com mercados europeus em alta expressiva. A noite também foi de ganhos na Ásia, com destaque para Tóquio – melhor dia para o índice Topix desde Novembro de 2016.

A leitura geral é de que, após as pressões aplicadas por Trump ao longo da semana passada, negociações avançam a passos largos para se evitar a trade war.

Parece que o topetudo vai ganhar no grito – exceto para a CNN, que certamente arranjará um jeito de dizer que ele perdeu.

Pensando alto

Primeira leitura da ata do Copom: mudança de tom foi reflexo da queda acentuada da projeção de inflação para 2018. Mantido o atual andar da carruagem, é 0,25 na próxima reunião.

A questão é: e depois?

Como será o amanhã? Responda quem puder. Já teremos 2019 entrando no radar do comitê, e para o ano vindouro a inflação paira, por ora, próxima à meta – está na casa dos 4,10. Se – eu disse se – imaginarmos que tudo fica como está, de fato paramos por aí.

Mas sabe o que me incomoda? Tem um sussurro no meu ouvido direito que teima em dizer que, se a atividade econômica não der uma animada nos próximos meses, vai ter quem flerte com cenários mais amenos para o ano que vem – e, no testar dessas águas, poder-se-ia admitir corte adicional da taxa.

Só pensando alto, tá?

Lula fora, Meirelles dentro

Concluídos os julgamentos dos embargos de declaração e assumindo que o Brasil é um País normal (sic), Lula está inelegível – e isso há de se confirmar quando da apreciação do registro de sua candidatura pela Justiça Eleitoral.

Faz preço? Eu sigo pensando que, na melhor das hipóteses, “elegível” faz mas “inelegível”, não.

Tanto fez como tanto faz: resta saber quem será o poste da vez.

Enquanto isso, Meirelles se anuncia oficialmente no páreo – e, ao que tudo indica, pelo MDB. Talvez seja o que o partido precisava para prescindir das pretensões eleitorais de Temer.

Desnecessário dizer que o mercado adora o nome. Viável? Tenho dúvidas, e algumas preocupações.

A ver.

De volta ao labirinto

Ainda que breve, a marola provocada pelo trade war fez bom serviço chamando o mercado à realidade nos IPOs. Voltou à roda o discurso de seletividade nas operações.

Como antecipado neste espaço semana passada, quem riu por último…

Agora me vejo curioso quanto ao apetite por seres mitológicos. Confesso que não vi o prospecto desta vez mas, se continuar sendo como era… haja esforço para separar as partes humanas das equinas. Na hora do aperto, difícil saber se manda para o hospital de gente ou veterinário.

 Ricardo Schweitzer, CNPI

Em observância à ICVM 483, declaro que i) as recomendações constantes no presente relatório de análise refletem única e exclusivamente minhas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente e autônoma; ii) não possuo vínculo com pessoa natural que trabalhe para o emissor de qualquer valor mobiliário mencionado neste relatório; iii) não sou titular de valores mobiliários objeto deste relatório; iv) não estou envolvido, direta ou indiretamente, na aquisição, alienação ou intermediação dos valores mobiliários objeto deste relatório; v) não tenho qualquer interesse financeiro em relação a qualquer dos emissores objeto deste relatório.

Compartilhar este artigo
por Ricardo Schweitzer
em 27/03/2018 para Nord Insights

Possui 14 anos de experiência no mercado financeiro. Antes de fundar a Nord Research passou pela Adviser Asset, Fundação CEEE, Sicredi Asset, Votorantim Corretora e Empiricus Research. Formou-se em economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Receba nosso conteúdo GRATUITO!