Maior queda da Bolsa desde fevereiro

Não tivemos nenhum grande evento, mas explicações não faltaram para tornar previsível o imprevisível.

O externo atrapalhou

Ontem a Faria Lima estava em clima de funeral. A bolsa americana ficou em queda livre, quase vertical, terminando o dia com uma desvalorização de incríveis 3,18 por cento.

Não tivemos nenhum grande evento, mas explicações não faltaram para tornar previsível o imprevisível.

“Foi o humor ruim com a guerra comercial entre China e EUA”.

“Foi a alta da treasury por medo do número de inflação que será publicado amanhã”.

“Foi a divulgação de alguns resultados ruins de algumas empresas”.

A verdade é que foi tudo isso e nada disso. A bolsa americana vem apresentado cada vez mais esse comportamento errático. O aumento de fundos quantitativos e dos robôs de trading fizeram com que níveis técnicos de preço provocassem grandes realizações.

Um stop (zeragem das perdas) chama outro stop, e o gráfico da bolsa fica vertical para baixo. Isso não era muito comum quando eu entrei no mercado. As realizações pareciam gráficos de um eletrocardiograma, com tendência decrescente.

O local não ajudou

Pra completar o mal humor, a entrevista de Bolsonaro para o Jornal da Band decepcionou o mercado.

O candidato deu a entender que não iria privatizar algumas estatais como elétricas e o grosso da Petrobrás. Privatizaria apenas as estatais que dessem prejuízo, contrariando o plano econômico previamente apresentado por Paulo Guedes.

Ações da Eletrobrás chegaram a cair quase 20 por cento, Petrobrás também teve queda forte. As estatais, em geral, puxaram a Bolsa para baixo.

Além disso, Bolsonaro disse que não irá utilizar a reforma da Previdência de Temer no Congresso, e faria uma outra reforma mais branda e com um período mais longo de conversão de idade mínima.

Ou seja, iria demorar muito mais do que o imaginado. Ruim também.

No fechamento, vem a primeira pesquisa


Após o fechamento do mercado, o Datafolha publicou a primeira pesquisa para o segundo turno.


Bolsonaro ficou com 58 por cento dos votos válidos e Haddad com 42. Uma diferença de 16 por cento e, portanto, extremamente relevante.


Vai ficar muito difícil para o PT levar essa. Bolsonaro teria que fazer uma besteira muito grande, o que não está parecendo o caso. A nova proposta para atrair votos do Nordeste é o décimo terceiro para quem recebe o Bolsa Família. O candidato joga exatamente com os pontos fortes do adversário.


A bolsa caindo com uma pesquisa que mostra Bolsonaro consolidado na frente, me deixa muito confiante com as alterações de posição feitas no RENDA FIXA PRO – Risk ON.


O Bruce também está bem animado com algumas ações que estão caindo nos preços, mas melhorando muito no balanço. Sua carteira recomendada está no Investidor de Valor.

Hoje teremos dados importantes


Na agenda local tivemos vendas no varejo, que surpreenderam com alta de 1,3 por cento, enquanto o mercado esperava apenas 0,2 por cento.  


O PIB foi revisado fortemente para baixo nos meses recentes, e esses dados devem fazer os economistas repensarem. O crescimento do varejo acumulado em 12 meses sobe para 4,1 por cento.


O dado mais importante do dia será publicado às 9h30, que é a inflação (CPI) americana.


Como se sabe, os EUA estão em níveis recordes de baixo desemprego, e todos os economistas aguardam esse aquecimento do mercado de trabalho causar uma aceleração da inflação.


O grande medo está na necessidade de subir os juros de forma mais acelerada. Prejudicando o fluxo para emergentes, e consequentemente o câmbio.


Vamos ficar de olho. Se o CPI vier em linha ou mais baixo, a bolsa americana deve recuperar boa parte da queda de ontem.




Em observância à ICVM 598, declaro que as recomendações constantes no presente relatório de análise refletem única e exclusivamente minhas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente e autônoma.

Assuntos relacionados
Compartilhar este artigo
por Marilia Fontes
em 11/10/2018 para Nord Insights

Possui 11 anos de experiência de mercado financeiro. Antes de fundar a Nord Research passou pelas assets do Itaú, Mauá e Kondor, além de analista da renda fixa da Empiricus Research. Formou-se mestre em Economia pelo Insper.

Receba nosso conteúdo GRATUITO!