IRB é faca caindo

Fique dentro do seu círculo de competência. Algumas coisas são difíceis demais, ou complicadas demais, ou arriscadas demais.

Círculo de competência

Warren E. Buffett e Charles T. Munger são os maiores investidores de todos os tempos.

Eles não chegaram lá tomando riscos desnecessários, muito pelo contrário.

Os dois têm algo muito claro: seu círculo de competência.

Mesmo com uma experiência invejável — Warren tem 89 anos e Charlie tem 96 —, eles se deparam com muitos investimentos que ainda não entendem.

Em sua imensa experiência, entenderam que às vezes é necessário dizer: "não sei".

Simplesmente, "não sei".


IRB subiu +445 por cento

IRB Brasil Resseguros (IRBR3) ficou famosa por altas intermináveis que geraram brigas homéricas entre os comprados e os vendidos no Twitter.

Desde seu IPO, em julho de 2017, IRB vinha apresentando lucros fortes e crescentes que geraram altas consistentes em suas ações.

IRBR3 entre 2017 e fevereiro de 2020. Fonte: Bloomberg.

IRB subiu +445 por cento até sua máxima.

IRB era a resseguradora mais rentável do mundo, a que mais crescia, a mais bem-sucedida, a mais cara.

Enquanto, no mundo inteiro, as resseguradoras negociavam a pouco mais de 1x patrimônio, IRB negociava a mais de 8x.

Até que a poderosa Squadra chegou para afundar o sonho dos comprados.


Squadra de guerra

A gestora carioca Squadra anunciou que havia montado uma posição vendida nas ações de IRB.

Não eram os primeiros.

Muitas embarcações audaciosas já haviam afundado tentando apostar contra a resseguradora.

Mas a Squadra vinha armada com 150 páginas de um relatório complexo, denso. Um relatório que levantava dúvidas importantes sobre a contabilidade do IRB.

Claro, o IRB contra-atacou ferozmente anunciando que a Squadra estaria manipulando o mercado.

Suas acusações seriam infundadas. IRB contratou outra empresa de auditoria para olhar seus resultados contábeis.

A Squadra “tem interesse econômico diametralmente conflitante com os interesses da companhia”.

IRBR3. Fonte: Bloomberg.

Mas, apesar da defesa furiosa da companhia e de seus gestores, as ações sentiram o ataque.

IRBR3 caiu -85 por cento até a mínima.


"Warren Buffett está comprando"

Até ali, o trabalho da Squadra gerava apenas insegurança.

Sob pressão, em uma jogada desesperada, a gestão de IRB comentou em teleconferência com analistas que o maior investidor do mundo estaria comprando as ações de IRB.

E, em um ato bastante incomum, a assessoria de Buffett soltou uma nota: "A Berkshire Hathaway não é atualmente um acionista da IRB, nunca foi acionista da IRB e não tem intenção de se tornar acionista da IRB".

Comprovada a mentira, ficou claro para o mercado que tinha algo errado em IRB.

O CEO e o CFO renunciaram e as ações caíram -32 por cento em um único dia.

A Squadra tinha razão.

A nau de IRB afundava para as profundezas da história.


O passado é incerto

"A análise verificou fatos e indícios de que uma série de registros contábeis conduzidos pela antiga gestão estavam efetivamente incorretos e demandavam ajustes..."

A divulgação do 1T20, no dia 30 de junho, foi a hora da verdade.

IRB foi mais uma fraude contábil que nem as auditorias, nem a Susep, nem a CVM, nem o sell side conseguiram detectar.

Muitos fundos viam problemas nos números, mas a Squadra precisou fazer um trabalho profundo para desmascarar a resseguradora.

No 1T20, IRB reportou lucros caindo -92 por cento, reapresentou resultados de 2018 e 2019, cortou dividendos e reduziu seu patrimônio líquido em 400 milhões de reais.

Além disso, IRB informou ao mercado que estudaria o aumento de capital para readequar reservas.

O passado de IRB mudou completamente.


Os preços-alvo e as sardinhas

As quedas fortíssimas das ações atraíram a atenção de 11 entre 10 sardinhas e profissionais.

Valeria a pena comprar IRB aqui embaixo?

Os resultados geraram uma corrida entre bancos e corretoras para rever suas previsões.

A recomendação de venda a descoberto (o "s" no gráfico abaixo) de uma grande corretora ficou famosa no mercado ontem:

Recomendação de IRB. Fonte: Bloomberg.

"Pequena" redução de preço alvo de 43 reais para 7,50.

O mais interessante é como o preço-alvo segue fielmente o preço das ações.

Enquanto a cotação sobe, os preços-alvo dos bancos sobem também...

Dessa vez, dá para confiar?


Não tente ser inteligente demais

Munger se pergunta: "é importante entender isso? É algo compreensível? Está dentro do meu círculo de competência?"

Buffett e Munger são os maiores investidores de todos os tempos justamente porque reconhecem que não sabem tudo.

Com mais de 150 anos de experiência combinada, entendem que, se colocarem dinheiro em investimentos complexos demais, correm um sério risco de perdê-lo.

Mas, claro, sempre existe a vontade de fazer algo. Pois não queremos perder oportunidades.

Por isso, ao se deparar com uma oportunidade, Munger possui 3 caixinhas: difícil demais, não e sim.

"Difícil demais" é a maior das caixinhas. É para onde vão a maioria das oportunidades.

"Não" é a segunda maior. Para onde vão as oportunidades com preços altos demais, negócios ruins demais e/ou visibilidade inexistente.

"Sim" é uma caixinha bem pequena. Minúscula. É a caixinha dos bons negócios a bons preços e com boas visibilidades de resultados.


Fake news

O IRB que valia 45 reais na bolsa era fake news. Era fraude. Era de mentira.

Quem só olha preço de ação na tela do Home Broker ainda não entendeu que as ações não voltarão à sua glória passada.

Os resultados eram de mentirinha. Os gestores da empresa enganaram o mercado.

Para investir em empresas de ciclo longo (seguradoras, bancos, incorporadoras, …) precisamos de alguma confiança na gestão  eles possuem uma enorme flexibilidade na forma de contabilizar resultados.

Hoje, quem mais entende de IRB, no Brasil e no mundo, é a gestora Squadra. O trabalho diligente da Squadra foi elogiado até pela gestão atual.

E, segundo a carta da Squadra, IRB deveria negociar ao redor das resseguradoras mundiais, a 1,2x patrimônio.

E, hoje, mesmo após as quedas, IRB negocia a 2,6x patrimônio:

Preço/Valor Patrimonial de IRB. Fonte: Bloomberg.

Claro, o patrimônio de IRB pode cair ainda mais com as revisões em seus balanços. Entender o balanço de IRB é difícil demais.

Quem tenta pegar a faca caindo pode perder os dedos da mão.O risco é enorme.

IRBR3 caiu mais de -80 por cento e continua cara demais, diante do passado incerto.


Ninguém te salva

Não adianta processar os gestores fraudulentos, reclamar nas redes sociais, com a CVM, com as corretoras, no site Reclame Aqui, com os researches independentes e nem com a Susep.

O dinheiro em IRB virou pó.

Use as perdas para aprender e o prejuízo fiscal para compensar futuros ganhos.

IRB tem risco demais. O passado é incerto. Nem a Susep sabe quais são os problemas ali.

Avaliar adequadamente o balanço de uma resseguradora é complicadíssimo. A nova gestão, a Susep, a CVM e as auditorias ainda demorarão meses para desfazer o que foi feito.

Ainda não sabemos se teremos mais surpresas.

Para evitar esses erros, aprendemos com Buffett e Munger. O Investidor de Valor é cauteloso.

Nossa pilha de "sim" é pequena. É minúscula. O trabalho de avaliar uma oportunidade é incansável.

IRB merece ir para a pilha "difícil demais".

Cuidado com seu rico dinheirinho.

Fique de fora de IRB.



Em observância ao Artigo 22 da Instrução CVM nº 598/2018, a Nord Research esclarece que oferece produtos contendo recomendações de investimento pautadas por diferentes estratégias e/ou elaborados por diferentes Analistas. Dessa forma, é possível que um mesmo valor mobiliário encontre recomendações distintas em diferentes produtos por nós oferecidos. As indicações do presente Relatório de Análise, portanto, devem ser sempre consideradas no contexto da estratégia que o norteia.


Assuntos relacionados
Compartilhar este artigo
por Bruce Barbosa
em 02/07/2020 para Nord Insights

Possui 17 anos de experiência no mercado financeiro. Antes de fundar a Nord Research passou pelo BNP Paribas, HSBC e Empiricus Research. Formado em Engenharia de Produção pela USP e possui um MBA pela New York University.

Receba nosso conteúdo GRATUITO!