Insurtechs ameaçam corretoras de seguros tradicionais?

Que as fintechs vêm mudando gradativamente o setor financeiro, já sabemos. O movimento também se esparrama para outros setores, como o de seguros, com as famosas insurtechs — termo que combina seguros e tecnologia, na tradução.


Em matéria do portal Brazil Journal, a Pipo — uma corretora digital de seguros, focada em planos de saúde, que usa inteligência artificial e big data para formular o plano mais adequado para seus clientes —, levantou US$ 4,6 milhões em sua primeira rodada de captação de recursos.


O segmento de corretagem de seguros no Brasil é bastante pulverizado e, por vezes, se traduz a pequenos escritórios com média de meia dúzia de funcionários. Basicamente, pessoas e empresas ligam para um corretor de ano em ano para renovar os contratos e nunca mais veem a cara do seu representante. No ramo da saúde, essa relação precisa de um bom pós-venda e de um bom plano adequado às necessidades de cada pessoa ou firma.


Na aposta de um diferencial no pós-venda que atuam algumas corretoras listadas por aqui, mas que nunca tiveram essa roupagem digital. Entre elas Qualicorp (QUAL3) e a Alper (APER3), mais focadas no ramo de saúde complementar, por exemplo.


Uma frente digital — não na formulação de contratos e planos por Inteligência Artificial como a Pipo —, já vinha sendo apresentada pela Alper, que antes de pensarmos na pandemia da COVID-19 vinha atuando fortemente na inovação em relação à telemedicina com a plataforma: Dr. Alper.


O propósito era claro: oferecer valor agregado aos seus serviços e ao pós-venda, para contribuir para que seus clientes e fornecedores (empresas e seguradoras) gastem menos com planos de saúde por meio de idas desnecessárias ao hospital, um “ganha-ganha” saudável.


A Pipo vem para atuar em uma roupagem mais digital desde o início da contratação até o pós-venda. A concorrência pode atrapalhar a Alper ou Qualicorp? Nem tanto.


O mercado hoje conta com cerca de 38,5 mil corretores espalhados pelo Brasil, a atividade de seguros representa 3,8 por cento do PIB e tem potencial para atingir entre 6 por cento a 10 por cento, com base em mercados de seguros mais maduros.


A Alper tem crescido com base em seu modelo de aquisições de corretores ao seu modelo de negócio integrado. O movimento deu uma congelada com a COVID-19, mas no pós-pandemia promete vir com tudo. Fica sempre o alerta: empresas são constantemente pressionadas a inovar, corretoras de planos de saúde que precisam de um pós-venda diferenciado, mais ainda.


Compartilhar este artigo
por Matheus Amaral
em 15/06/2020 para Nord Insights

Iniciou sua carreira como auditor e consultor na Ernst & Young, onde permaneceu por cinco anos.

Receba nosso conteúdo GRATUITO!