Injeção de adrenalina

Pequim não vai deixar o mercado parar

Mais uma dose, é claro que eu tô a fim

Nunca subestime a capacidade de um estímulo governamental reanimar os mercados.


Após uma primeira injeção de adrenalina na segunda-feira, voltando do feriado estendido do Ano Novo chinês, Pequim anunciou mais uma dose de liquidez.


O recado é claro: vão se valer do arsenal completo para estabilizar a situação. Sell-off? Cadê?


O temor de uma epidemia de larguíssima escala dá, então, lugar a mais um dia de ganhos nas bolsas mundo afora. A madrugada foi boa na Ásia, o dia começa bem na Europa e, do lado de cá do Atlântico, são igualmente bons os presságios.


Já tivemos crises mais interessantes, viu?


Martelada

E justamente nessa esteira, merece atenção o fato de os últimos dias terem sido brutais para as commodities.


O medo de uma brusca desaceleração do Gigante Vermelho fez preço mundo afora em meio à pregação dos arautos do apocalipse.


A pergunta que fica é: se Pequim conseguir manejar a situação e sustentar a atividade em níveis razoáveis, tem espaço para rebound? Eu acho que tem.


Chamou-me a atenção, em especial, a martelada que sofreu o minério de ferro, que está no low de 1 ano.


Três preto


Nas bandas da terra brasilis tem início, hoje, mais uma reunião do Copom.


Francamente? Depois de tantas quedas da Selic, acredito que a turma vai até se sentir um tanto entediada. Verão, chuva e ócio? Levem baralho. Alguém joga tranca?


Com atividade ameaçando enfim pegar no tranco e, do outro lado, o risco de choques externos, minha aposta é de que dessa vez ninguém faz nada. Três preto na mesa.


Provocação necessária: dia desses o Stuhlberger deu a entender que está na Bolsa de olho na porta de saída e causou um alvoroço só. Prestaram atenção na parte em que ele sugere que o Copom esteve no corner nas últimas reuniões para cortar juros?


Acho que deu. Tá com cara de low para os juros.


Paracetamol

Não me julguem. Longe de mim alegrar-me com uma epidemia. Mas francamente consigo ver um lado muito bom em tudo o que se passou nos últimos dias.


Finalmente a safra mais recente de investidores descobriu que o mercado também cai.


(E olha que, francamente, qualquer um com um pouquinho mais de rodagem na B3 já viu a Bolsa cair muito mais do que o visto nos últimos dias)


E isso, sinceramente, é bom no longo prazo: a turma se apruma e volta a dar um mínimo de atenção para os incansáveis alertas de chatos (como eu), que insistem em controlar a exposição à renda variável, em manter razoável diversificação, ficar longe dos micos, etcetera…


Se o bull market deixa o pessoal meio febril, essas chacoalhadas pedagógicas fazem as vezes de um paracetamolzinho e ajudam a controlar a temperatura do paciente.


Por um tempo.


Compartilhar este artigo
por Ricardo Schweitzer
em 04/02/2020 para Nord Insights

Possui 14 anos de experiência no mercado financeiro. Antes de fundar a Nord Research passou pela Adviser Asset, Fundação CEEE, Sicredi Asset, Votorantim Corretora e Empiricus Research. Formou-se em economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Receba nosso conteúdo GRATUITO!