Congresso declara guerra a Bolsonaro

Ontem, a Câmara dos Deputados aprovou em dois turnos um texto resgatado de 2015, que obriga o Governo a gastar todo o orçamento de investimentos em obras e emendas estaduais.

Ontem, a Câmara dos Deputados aprovou em dois turnos um texto resgatado de 2015, que obriga o Governo a gastar todo o orçamento de investimentos em obras e emendas estaduais.

Esse projeto vai na contramão da vontade do Ministro Paulo Guedes, de deixar o orçamento o mais flexível possível para que o Governo consiga cortar gastos (como os 30 bilhões economizados este ano), quando necessário.

O movimento foi chamado de retaliação a Bolsonaro, por ele se recusar a conversar com os parlamentares e seguir criticando a velha política no Twitter.

Dizem que os parlamentares querem cargos. Não tenho ideia de por que esses caras não conseguem se entender sobre um assunto tão importante e unânime para o país.

Em sua defesa, Bolsonaro diz que seguirá criticando o toma-lá-dá-cá, afinal, isso fez muito sucesso em seu twitter. Ai meu deus, que perigo! Agora as políticas são testadas nos trending topics antes de ganhar corpo no Governo. Em que mundo vivemos?

Dizem as más línguas que ele seria um plano mirabolante do Presidente para enfraquecer a classe política e posteriormente dar um golpe de estado, pegando o poder para si em meio ao caos. O que não faltam é teorias tentando explicar a falta de habilidade política de Bolsonaro.

Mas todas essas teorias são fumaça. Você, investidor, deve ignorar tudo isso e sempre se voltar às mudanças no fundamento.

O principal dessa briga toda foi a fala do deputado Kim Kataguiri, que costumava ser aliado do governo, dizendo que essa reforma morreu, e não tem mais chance de ser aprovada. Na visão dele, a melhor das hipóteses seria resgatar a reforma da previdência de Temer.

Não sei quanto disso foi dito no calor do momento, no meio de sua briga com a líder do governo, Joice Hasselmann, também pelo Twitter (Meu Deus, 2!), mas o fato é que isso importa muito para seus investimentos.

Se a reforma azedar, a Bolsa vai devolver grande parte do ganho até agora. Os juros também vão subir bem, principalmente os longos, e o dólar deve disparar.

Ou seja, é hora de você comprar um hedge, para se algo ruim acontecer, pelo menos para você proteger uma parte da sua posição.

Pedi para o Bruce dar uma olhada em hedges baratos. Ele me disse pra comprar uma PUT de banco (que é líquido) fora do dinheiro.

Temos que ficar muito atentos no Twitter (parece piada, mas não é) e nos desdobramentos dessa guerra entre governo e parlamentares.

É muito difícil entender o que está acontecendo nos bastidores. Política está longe de ser uma ciência exata, e tudo pode acontecer. Mas, para chegar um pouco mais perto de sabermos alguma coisa, estamos pensando em trazer reforços aqui na Nord. Falaremos mais sobre essa novidade depois.

Enquanto isso, mercado de hoje deve azedar com todos esses acontecimentos de ontem.

Vamos seguir observando tudo isso de perto. Será apenas uma tática de negociação? Ou será uma quebra de paradigma do novo governo?

Essas horas que vemos o quanto é bom tem uma carteira diversificada, na qual a renda fixa também está lá para reduzir nossos riscos. Por isso que, apesar de sabermos que os títulos vão render menos com a Selic baixa, seguimos acreditando que a melhor composição de patrimônio é a que apresentamos no Nord Advisor. Bolsa, sim! Mas renda fixa também. Juntos, são imbatíveis.

Em observância à ICVM 598, declaro que as recomendações constantes no presente relatório de análise refletem única e exclusivamente minhas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente e autônoma.

Compartilhar este artigo
por Marilia Fontes
em 27/03/2019 para Nord Insights

Possui 10 anos de experiência de mercado financeiro. Antes de fundar a Nord Research passou pelas assets do Itaú, Mauá e Kondor, além de analista da renda fixa da Empiricus Research. Formou-se mestre em Economia pelo Insper.

Receba nosso conteúdo GRATUITO!