Bancos engatando a marcha em julho

O Banco Central divulgou os dados sobre o crédito em julho. O tom é de leve crescimento na tomada de empréstimos, puxado pelas empresas após a forte demanda por capital de giro no início da pandemia, em março, que retraiu ao longo do segundo trimestre. O saldo total das operações de crédito no país atingiu 3,7 trilhões de reais, com crescimento de 1 por cento no mês.

Fonte: Banco Central.


Deste saldo, 1,6 trilhão corresponde às pessoas jurídicas (crescimento de 1,2 por cento), onde houve influência de mais contratação de capital de giro, com prazos superiores a 1 ano. Do lado das pessoas físicas, com o saldo de 2,1 trilhões e crescimento de 0,9 por cento, o destaque ficou para maior originação no cartão de crédito à vista e crédito consignado.


As concessões de crédito (empréstimos novos) totalizaram 341 bilhões de reais em julho, com crescimento dessazonalizado de 9,4 por cento no mês, apresentando forte recuperação ante aos meses de abril e maio, com empresas contraindo mais dívidas do que as famílias.

Fonte: Banco Central.


No 2T20, os bancos apresentaram um fraco desempenho na carteira de crédito na comparação trimestral. Mas com base nas novas concessões de julho, podemos esperar um maior crescimento no próximo trimestre.


Apesar disso, os balanços ainda devem apresentar um tom de cautela, com níveis de provisões altos para os padrões normais, mas em declínio se comparados ao 1S20, pois ainda existe a expectativa de um aumento na inadimplência para os próximos resultados por conta dos efeitos da crise do coronavírus.


Mesmo assim, e com pressões regulatórias no meio do caminho, os principais bancos do país continuam com um negócio sólido e pagando bons proventos. Temos exposição aos melhores nomes do setor na série Nord Dividendos.


Compartilhar este artigo
por Matheus Amaral
em 31/08/2020 para Nord Insights

Especialista em finanças e mercado de capitais pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), atuou como auditor de fundos de investimento e consultor em instrumentos financeiros na Ernst & Young por 5 anos. Após, integrou a equipe de equity research da Toro Investimentos. Ingressou na Nord Research em outubro de 2019, como parte do time do Nord Deep Value.

Receba nosso conteúdo GRATUITO!