Alô, Sr. Ibovespa?

Quem tem o hábito de acompanhar o noticiário econômico todos os dias já percebeu que há sempre uma boa razão para explicar por que o mercado subiu, caiu ou se manteve estável no final do pregão.

"Ibovespa cai arrastado pelos bancos, após fala de Guedes sobre aumento nos impostos"

"Ibovespa sobe puxado por varejistas, após notícias de nova vacina e possível reabertura dos comércios"

E tem a que eu mais gosto, que é a combinação de boas e más notícias:

"Ibovespa sobe com siderúrgicas, mas cenário externo piora e fecha perto da estabilidade"

Às vezes eu me pego imaginando o Ibovespa como uma pessoa. Um senhor, 80 anos, cabelos brancos, bigode, sentado em uma mesa de madeira lustrosa e com um monte de jornais abertos em cima dele.

Todos os dias, pontualmente às 18h, toca o telefone na mesa dele e ele atende:

Sr. Ibovespa: Alô.

Jornalista da MoneyTalks: Alô, Sr. Ibovespa?

Sr. Ibovespa: Sim, aqui é o Ibovespa.

Jornalista da MoneyTalks: Jornalista da MoneyTalks falando. Tudo bem com o senhor?

Sr. Ibovespa: Tudo ótimo, meu filho. Diga lá.

Jornalista da MoneyTalks: Estou ligando para saber por que o senhor fechou em queda hoje?

Sr. Ibovespa: Olha, tinha tudo para ser um bom dia, rapaz. Futuros na Ásia e Europa abriram em alta. Saiu uma notícia que o Guedes poderia estar se aproximando do Centrão. Petróleo abriu em alta (bom para PETR4), minério de ferro subindo (bom para VALE3) e saiu um relatório de um banco gringo revisando para cima a minha projeção para o fim do ano. 118 mil! Manhã boa. Mas aí, fui almoçar…

Jornalista da MoneyTalks: Certo... mas o que houve?

Sr. Ibovespa: Os dados de vendas do varejo na zona do Euro vieram pior do que esperado e o Trump se meteu a falar umas asneiras sobre o Congresso. Por aqui, a alta nos preços dos alimentos acendeu uma luz amarela sobre um possível risco inflacionário. Além disso, os bancos seguem pressionados com a saída de investidores estrangeiros e arrastaram o índice. Não tinha como eu não terminar meio para baixo.

Jornalista da MoneyTalks: Hum, entendi. Perfeito, Sr. Ibovespa, não vou tomar mais do seu tempo. Já ajudou bastante. Até amanhã!

Sr. Ibovespa: Disponha, meu filho.

O diálogo acima não teve causalidade com as notícias e o fechamento do mercado de ontem, é claro. O Sr. Ibovespa até subiu, mas não tive nem a paciência de procurar quais foram os motivos desta vez.

A brincadeira tem outra finalidade, que é falar sobre alguns vícios dessa grande safra de novos investidores.

“Caranguejando”

De 10 de julho de 2020 até o dia de hoje, ou seja, nos últimos 2 meses, o Sr. Ibovespa praticamente não saiu do lugar.

Fonte: Investing

Oscilando entre os 99 e 105 mil pontos, dificilmente fez alguém muito mais rico ou muito mais pobre.

Foram exatos 42 pregões e, em cada um deles, o Sr. Ibovespa teve uma boa razão para ter subido, caído ou ter ficado de lado.

Pergunto-lhe se nesses últimos dois meses você aprendeu algo observando as oscilações diárias do mercado.

Ou, então, se cada uma das explicações diárias para essas oscilações foi capaz de gerar algum tipo de método para ganhar dinheiro com os movimentos de curto prazo.

Eu imagino que não.

As pessoas tendem a imaginar que os melhores investidores passam o dia sentados em frente à tela do computador, de segunda a sexta, das 10h às 18h, operando grandes lotes de ações.

Na verdade, investidores como Warren Buffett, por exemplo, não perdem absolutamente nenhum tempo operando sua carteira.

Nem computador na mesa ele tem.

Algo parecido deve acontecer na sala do Barsi, um dos maiores investidores da Bolsa brasileira. Eu mesmo já sentei nessa cadeira aí à frente dele e, durante 1 hora que conversamos, ele sequer chegou a abrir o laptop.

Na maioria do tempo, os grandes investidores simplesmente deixam suas carteiras intactas e deixam que o tempo faça o trabalho por eles. Mas se engana quem acha que não operar com muita frequência significa que não estejam fazendo algo.

No caso de Buffett, se você perguntar a ele qual é o segredo do sucesso de um investimento, ele lhe dirá para se ocupar lendo. Quando mais novos, os filhos dele costumavam chamá-lo de "jornal com pernas".

O Barsi, além da leitura, provavelmente recomendará que você gaste a sola de sapato visitando as empresas ou fique ao telefone falando com os executivos delas.

É assim também que os analistas da Nord gastam a maior parte do tempo. Estudando mais sobre as empresas recomendadas e aprendendo sobre outras que possam vir a ser novos investimentos.

Se você compra uma ação de uma empresa sem entender exatamente o que ela faz e como ganha dinheiro, você passa a julgar esse investimento basicamente pelas oscilações do dia a dia.

“Se comprei e subiu, sou um gênio. Se comprei e caiu, sou um asno.”

Se você compra ações de uma empresa entendendo muito bem o que ela faz e como ganha dinheiro, então você passa a encarar as grandes oscilações do mercado como momentos de irracionalidade e oportunidade.

Investir bem é tornar-se sócio de boas empresas por um tempo.

Então você precisa entender de negócios, de companhias, de empresas, de resultados, não de preços piscando na tela. É muito raro algo mudar nos fundamentos de uma empresa da noite para o dia.

Se você investe em ações, crie o hábito de ler os press releases das empresas que investe. Passe para os ITRs até chegar nas notas explicativas. Aprenda tudo o que puder sobre o que essa empresa faz e o que influencia seus negócios. Construa uma base de conhecimento.

Nossa equipe de análise está aqui para servir de base e apontar o caminho de como analisar cada tipo de empresa.

Fiz questão de trazer esse assunto à tona porque a quantidade de material produzida pelos analistas nos últimos dias foi impressionante.

A minha sensação quando isso acontece é tão boa como quando chega nova encomenda com livros da Amazon.

Além dos comentários sobre OI e PetroRio, que seguem abaixo, publicamos nossa opinião sobre teses como Movida, Gafisa, Qualicorp, Taurus, novas emissões de debêntures, fundos imobiliários, entre várias outras.

Faltando mais 2 pregões para o final da semana, dificilmente o Sr. Ibovespa vai se mover muito de onde está atualmente.

Mais uma boa razão para deixar de lado as cotações e aprofundar seus conhecimentos.


Um abraço e até a próxima.

Renato Breia


Compartilhar este artigo
por Renato Breia
em 10/09/2020 para Nord Insights

Possui 15 anos de experiência no mercado financeiro. Antes de fundar a Nord Research passou pela Link Corretora, Galleas Asset, Rico Corretora e foi sócio da Empiricus Research. Formou-se em economia pela PUC-SP, tem especialização em Gestão de Fortunas pela Columbia University e é Planejador Financeiro, CFP®.

Receba nosso conteúdo GRATUITO!