Água no chopp do Whatsapp

Saiu ontem à noite (23) uma nota do Banco Central determinando que as bandeiras Visa e Mastercard suspendessem imediatamente a participação no aplicativo Whatsapp para realização de pagamentos e transferências.


A notícia pode ser negativa para as Ações da Cielo (CIEL3), que subiram forte recentemente, após o mercado se animar com a participação exclusiva da adquirente no sistema de pagamentos do aplicativo. Agora, a Companhia vai precisar esperar os desdobramentos da análise do Bacen sobre a parceria.


O BC mira a preservação de um ambiente competitivo e de baixo custo para o sistema de pagamentos brasileiro (SPB), e quer garantir a segurança, instantaneidade, transparência e abertura do sistema, na esteira das iniciativas de Open Banking — que deve começar com o PIX (sistema de pagamentos instantâneo que funcionará 24/7 e pertence ao Banco Central) em novembro.


A suspensão dos pagamentos via Whatsapp é para que, antes que a nova funcionalidade seja introduzida, o BC avalie eventuais riscos para o funcionamento adequado do SPB.


Existe um arcabouço de regras e exigências para os participantes do SPB no país. Como a parceria entre o Facebook, Cielo e demais instituições financeiras não passou pelo crivo do BC, nada mais justo do que a instituição demandar a prévia análise do sistema.


As perguntas agora são: quanto tempo essa análise pode demorar? O BC demandará que o sistema desenhado sofra alterações? Se sim, as adequações serão viáveis? Quanto tempo demandarão para serem implementadas?


Cielo vive um inferno astral desde que o Bacen passou a estimular a competitividade no setor de meios de pagamentos no Brasil.


Não seria diferente desta vez.


Compartilhar este artigo
por Matheus Amaral
em 24/06/2020 para Nord Insights

Iniciou sua carreira como auditor e consultor na Ernst & Young, onde permaneceu por cinco anos.

Receba nosso conteúdo GRATUITO!