A vida de marinheiro

Pelo menos uma vez na vida, acreditei ser uma boa ideia pegar um barco e velejar em mar aberto. Essa sensação de enfrentar o desconhecido tem um apelo bem interessante, talvez pelo fato de acionar nosso lado aventureiro – talvez seja isso, talvez não.


Seja qual for o motivo, é algo que sempre me chamou a atenção. A famosa travessia dos portugueses até as Índias calharia bem.


Mapa – África e Ásia.


É um caminho longo, atravessando toda a imensidão do Oceano Atlântico até o Índico.


Sem dúvidas, ao longo desse trecho, enfrentaremos todo o tipo de condição. Dias de calmaria, com águas mansas, céu azul e vento a favor estarão certamente presentes. Teremos também dias de marés um pouco mais revoltosas, com neblina e ondas médias batendo no casco do barco. Outros serão de completa neblina, ondas de 5 metros, ventos contra você.


As condições estarão todas aí para te derrubar. O segredo para chegar ao outro lado vivo é respeitar o mar. Diversos marinheiros buscaram bater de frente, mas suas embarcações residem nas profundezas do Cabo da Boa Esperança hoje.


O mercado segue a mesma ideia.


Ainda que tenham aparecido solavancos no meio do caminho (Joesley Day, greves dos caminhoneiros, eleições de 2018, mil e uma discussões com reformas, pandemia da Covid-19), a verdade é que os tempos foram amenos – para o mercado financeiro.


Tivemos uma série de ondas médias no mercado, com muita volatilidade, mas com um vento de cauda muito positivo. Isso vem acontecendo desde 2016, quando tivemos o impeachment da ex-presidente Dilma.


A onda de reformas que veio com o governo Temer (e alguma coisa no Bolsonaro, é verdade) permitiu ganhos institucionais importantes, como também trouxe uma dinâmica melhor para a economia e uma visibilidade melhor do controle da dívida pública.


Esse conjunto de feitorias tirou uma série de riscos do jogo, permitindo uma queda vertiginosa do juro longo nos últimos anos – quem não lembra de ver nas corretoras prefixados pagando 17 por cento ao ano para 5 anos, não é mesmo?


Esse ambiente mais próspero também permitiu que as companhias começassem a se recuperar das férias da crise anterior, criando um ambiente de recuperação econômica – ainda que bastante gradual.


A conjunção desses fatores (recuperação de earnings e queda de juros) colocou a bolsa nos níveis que está atualmente.


Além disso, o cenário externo foi muito bondoso conosco. Esse mundo de liquidez abundante permitiu um ambiente extremamente acomodatício. Esse ambiente de condições financeiras bem tranquilas permitiu que a nossa lerdeza nos ajustes fiscais fossem “toleradas”. Em outras palavras, tivemos uma colher de chá, uma vez que o mar (cenário internacional) esteve calmo.


Entretanto, olhando para a frente, talvez os mares se tornem mais desafiadores.


Você gosta de pagar menos naquilo que vale mais? Então que tal ter acesso às três séries essenciais da Nord por um preço especial? Tenha as Ações preferidas do Bruce em O Investidor de Valor. Os melhores Fundos de Investimento selecionados pelo Luiz em Nord Fundos. As melhores pagadoras de Dividendos elencadas pelo Ricardo na série Nord Dividendos. Tudo isso por um valor muito especial.  


Seja membro do Nord Combo Essencial



O mar, aos poucos, parece ficar mais agitado, e as ondas começam a aumentar – sem que isso se torne algo alarmante ainda.


O cenário de extrema liquidez (tanto fiscal quanto monetária) tem propiciado uma recuperação incrível para a economia americana. O crescimento parece começar a vir mais forte, com ótima geração de emprego e um desemprego em queda.


As preocupações do mercado em relação à crescente inflação americana começam a mudar os ventos de direção. Essa é a receita para que, aos poucos, Powell (presidente do BC americano) comece a retirar um pouco da morfina que colocou no mercado – aos moldes do que fez Bernanke em 2013.


Isso deve deixar o mar mais agitado, principalmente para países emergentes, com ondas mais fortes pressionando moedas, curvas de juros e bolsas.


Gif de navio em mar revolto.


Não tem jeito, quando o mar fica agitado, todos os barcos sofrem.


O nosso caso em específico tem o potencial de ser mais severo, uma vez que ainda temos uma fragilidade fiscal forte.


Conjuntamente a todo esse processo, em algum momento estaremos discutindo também as eleições para 2022. A elegibilidade do Lula provavelmente embaralhou novamente o xadrez político.


A dúvida que vai permanecer no mercado até o ano que vem é: qual Lula seria presidente em 2022? O Lula paz e amor de 2002? Ou o radical de 1989? E o Bolsonaro? Apelará ao seu lado populista para tentar angariar votos? Ou ainda temos um fio de esperança que o governo ainda entregue alguma austeridade?


Discutir as nossas mazelas fiscais em um momento externo mais conturbado não será tarefa fácil, por isso, esteja preparado.


Do meu lado, prefiro escolher bem os marinheiros que vão velejar comigo.


Uma das belezas de se investir em fundos de investimento é a possibilidade de estar no mesmo barco que grandes gestores. São pessoas que, ao longo de suas carreiras, atravessaram todo o tipo de cenário, seja ele de águas tranquilas ou chuva torrencial e ondas de 5 metros de altura.


Não só sobreviveram a tudo isso, mas conseguiram entregar maravilhosos retornos para quem embarcou nessa jornada com eles. São marinheiros experientes, que sabem ler o que o mar está dizendo, bem como têm conhecimento sobre a melhor maneira de se posicionar em cada momento do tempo.


Quando esses tempos de bonança passarem – e eles eventualmente passarão – é nessa embarcação que eu quero estar, e não com o seu amigo aventureiro que nunca pilotou um barco na vida.


Gif de um capitão de barco assustado com o mar revolto.


Veja bem: quando escrevo sobre "tempos de bonança", é claro que não estou me referindo a questões sociais, como impactos da pandemia. Compreendo que estamos vivendo momentos absolutamente terríveis, principalmente para quem teve a vida ou o emprego afetados pela Covid-19.


Minha análise é estritamente focada no comportamento dos mercados, tanto na renda variável quanto na curva de juros. Nesses quesitos, especificamente, a situação foi favorável.


Porém, isso pode mudar.


Se você é como eu, venha conhecer os melhores gestores do país no Nord Fundos. Você terá acesso à lista completa de quem são.


Além disso, para quem me acompanhou até aqui, aproveito para fazer um outro convite a todos vocês.


Essa semana, liberamos um curso de fundos de investimento completo, abordando os mais diversos assuntos dentro desse mundo em 17 aulas. Por ser formatado em dois módulos, o curso funciona tanto para quem ainda está engatinhando nesse mercado quanto para quem já tem uma certa experiência.


Print dos módulos do curso.


Os conteúdos estão fazendo bastante sucesso entre os assinantes da Nord.


O melhor de tudo é que esse conteúdo é COMPLETAMENTE GRÁTIS! Não tem pegadinha nem letra miúda, é totalmente 0800. Basta que você se cadastre no site. Neste seu domingo preguiçoso, que tal investir um pouco em você mesmo?


Espero que aproveite.


Um abraço,


Compartilhar este artigo
por Luiz Felippo
em 14/03/2021 para Nord Insights

Iniciou sua carreira num projeto de renda fixa do Insper com o BTG Pactual. Posteriormente atuou na área de pesquisa econômica internacional do Itaú Asset Management e foi analista de Renda Fixa da Empiricus Research. Formou-se Economista no Insper.

Receba nosso conteúdo GRATUITO!