Simples não é fácil 


Dia de bonança

Em sessão esvaziada de indicadores e após um rompante de euforia ontem, Ibovespa começa os negócios em leve baixa. Dólar, por sua vez, recupera parte da desvalorização de ontem.

Internamente, atenções estão voltadas aos próximos desdobramentos da corrida presidencial. Lá fora, expectativas em torno do ingresso do Canadá no recém-costurado acordo comercial entre EUA e México.


Melhor Jair se preparando

Primeiro, o ceticismo - lembro-me bem que, quando aventei pela primeira vez a possibilidade de Bolsonaro ser um candidato viável à presidência, o parlamentar era alvo de piadas. Depois, a consternação com seu crescimento.

Agora, com a largada oficial da corrida presidencial, é hora de os opoentes literalmente correrem para arrancar votos do outrora mais improvável dos candidatos. Alckmin que o diga: parte do amplo tempo de TV conquistado naquela aliança com o Centrão será usado justamente para tentar "desconstruir" Jair - que, por sua vez, tem pouco ou nenhum tempo para rebater o que quer que seja.

Hoje Bolsonaro participa da sabatina do Jornal Nacional. Dado seu diminuto tempo de propaganda eleitoral, não é exagero afirmar que esta pode ser sua principal oportunidade na TV. Dará conta? A julgar pelo calor que Ciro passou ontem, melhor Jair se preparando para perguntas difíceis.


A pergunta é...

Frequentemente me deparo com investidores, principalmente menos experimentados, que elaboram estratégias extremamente complexas para investir na bolsa.

Sistemas repletos de parâmetros para determinar momentos ideais de entrada e saída, dedicados ao que muitos acreditam ser o Santo Graal da renda variável: comprar na baixa e vender na alta.

Não se trata de ciência exata, postulam os defensores: muitas operações darão errado mas, na média, o resultado da repetição sistemática da estratégia deverá ser positivo.

A pergunta é: funciona?


Simples não é fácil

A vida é curta demais para aprender tudo o que preciso com base em meus próprios erros: o jeito é aprender, também (e principalmente), com os erros (e acertos) dos outros.

Pergunte-se: qual estratégia de investimento foi implementada pelos investidores mais bem-sucedidos da História?

Dica: não tinha nada a ver com qualquer sistema que prometesse adivinhar a tendência dos preços amanhã.

O value investing é fascinante porque é simples e funciona - assim sugerem as evidências. Compre bons negócios a preços que incorporem razoável margem de segurança... e espere.

Tendemos, contudo, a confundir simples com fácil. O método exige, antes de tudo, convicção e paciência; capacidade de abstrair toda a gritaria que caracteriza o mercado no curto prazo e focar no essencial.

Aprender que os preços, na maior parte do tempo, não refletem valor, mas sim uma conversa de surdos e loucos. E, portanto, importar-se com eles é um desperdício colossal de energia.

E, principalmente, acreditar que no longo prazo eles convergirão para o valor - pura e simplesmente porque assim sempre fizeram. Não há motivos para pensar o maldito "dessa vez é diferente" que tanta gente já derrubou.

Assuntos relacionados
Compartilhar este artigo
por Ricardo Schweitzer
em 28/08/2018 para Nord Insights

Possui 13 anos de experiência no mercado financeiro. Antes de fundar a Nord Research passou Adviser Asset, Fundação CEEE, Sicredi Asset, Votorantim Corretora e Empiricus Research. Formou-se economista pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Receba nosso conteúdo GRATUITO!